PROCESSO DE SOLDAGEM MIG (METAL INERT GAS)

A soldagem MIG (Metal Inerte Gas) ou GMAW (Gas Metal Arc Welding), é um processo em que o arco elétrico, obtido através de uma corrente contínua, é estabelecido entre a peça e um arame de alumínio, que combina as funções de eletrodo e metal de adição, numa atmosfera de gás inerte. No processo MIG o eletrodo é sempre o polo positivo do arco elétrico. Utilizando-se as versões automática e semiautomática é possível soldar o alumínio desde espessuras finas, cerca de 1,0 mm, até grandes espessuras.

Para a soldagem MIG utiliza-se corrente contínua com polaridade inversa (eletrodo positivo). O gás argônio é sugerido para espessuras menores que 12,7 mm (1/2”). Para espessura maiores, deve-se utilizar misturas (Argônio + Hélio). Em função de possíveis perdas de gás geradas desde a saída do regulador de pressão do cilindro de gás até à tocha de soldagem, deve-se utilizar um fluxômetro de bico (bibímetro) para verificação correta da vazão do gás na saída da tocha.
A tabela abaixo apresenta alguns valores típicos de parâmetros de processo. Estes podem variar em função do tipo de equipamento utilizado, da habilidade do soldador e dos requisitos específicos de cada processo.

PROCESSO DE SOLDAGEM TIG

A soldagem TIG (Tungsten Inerte Gas) ou GTAW (Gas Tungsten Arc Welding), é um processo de soldagem onde o arco elétrico é estabelecido entre um eletrodo de tungstênio não-consumível e o metal-base (peça), utilizando uma atmosfera gasosa inerte para proteger a poça de fusão da contaminação pela atmosfera.

Devido à afinidade química do alumino com o oxigênio, é gerada na superfície externa do material uma camada de óxido de alumínio (Al2O3) quando exposta à atmosfera ambiente ou em meios oxidantes, sendo essa formação rápida. Essa camada é muito fina, impermeável, tenaz e refratária. Apresenta característica de proteção à correção (camada passiva), mas também é um obstáculo para a soldagem. Além de ser uma camada porosa que retém umidade ou contaminantes que podem ocasionar descontinuidades na solda, sua temperatura de fusão (2052°C) é maior que a do alumínio (660°C), ou seja, realizar a soldar sem primeiro remover a camada de óxido, resultará primeiramente na fusão do alumínio bem antes do seu óxido se fundir podendo não ocorrer aderência entre os materiais base (peças a serem unidas).

Na soldagem TIG (GTAW), esse óxido é removido sem o uso de fluxos devido à ação do arco elétrico. Como a proteção gasosa é inerte, impede-se a formação de uma nova camada de óxido durante a soldagem. O arco elétrico pode ser obtido através de corrente contínua (polaridade direta ou inversa) ou corrente alternada e deve ser capaz de promover essa ação de limpeza (remoção do óxido) e garantir uma penetração adequada da solda. Portanto, deve fornecer uma grande quantidade de calor ao metal-base e mínima ao eletrodo.